alergia-alimentar

Alergia Alimentar: Causas

Causas da alergia alimentar

A alergia alimentar tem se constituído em um problema mundial, principalmente com relação às crianças, mais vulneráveis, porém, os casos associados à alergia alimentar têm aumentado em todo o planeta independentemente da faixa etária.

É importante esclarecer que a alergia alimentar é caracterizada por reações adversas dos alimentos que provocam uma resposta imunológica no indivíduo em questão. A existência da alergia alimentar significa que alguma proteína da dieta ativou o sistema imune de uma forma anormal. Através dessa ativação e mediação imunológica é que ocorre uma resposta inadequada perante os alimentos.

Intolerância à lactose

A intolerância à lactose (açúcar do leite) não é uma alergia, mas um problema dependente da deficiência da lactase. Logo, trata-se de um transtorno metabólico. Não existe nenhuma relação entre a alergia alimentar do leite provocada pelas suas proteínas e a intolerância à lactose acarretada pelo mesmo alimento.

A identificação da alergia alimentar deve ser bem pontuada, pois é comum que mães compareçam aos consultórios médicos informando que seus filhos têm alergia à lactose. O leite é o principal elemento alérgeno alimentar, entretanto, a afirmação de que alguém possa ser alérgico à lactose é falsa. Por razões genéticas, a partir de uma certa idade, crianças, adolescentes e adultos se tornam permanentemente intolerantes à lactose. Algumas pesquisas demonstram que cerca de 50% dos escolares brasileiros são intolerantes à lactose.

Aumento da alergia alimentar

Torna-se fundamental fazer uma reflexão sobre os motivos que levam ao aumento da alergia alimentar em todo o mundo. Evidentemente, existem razões para que o problema esteja se alastrando e tenha alcançado os números atuais. Tomando como base três ou quatro décadas atrás, é possível observar que a incidência da alergia alimentar (até aquele momento considerada apenas alergia mediada por IgE devido à forte imposição da escola de Sampson, influente alergista) saltou dos níveis de 2 a 8% para estimativas recentes de 10 a 20% das populações, podendo em algumas circunstâncias chegar a 30%.